Informação

Uma música inicia bem esta postagem:

“(...) é muito engraçado
que todos tenham os mesmos sonhos
e que o sonho nunca vire realidade

é muito engraçado
que estejam do mesmo lado
os que querem iluminar
e os que querem iludir

é muito engraçado
que todo mundo tenha
armas capazes de tudo
de todo mundo acabar
no dia “d”, na hora “h”(...)”


A verdade a ver navios – (Gessinger)

Eu realmente me decepciono quando alguém me fala que é bem informado porque lê jornais. Eu também leio um jornal: “O Estado de São Paulo”. Por que nele no caderno 2 escreve o Daniel Piza. No passado escrevia o Arnaldo Jabor. Também escrevia Mário Prata às quartas-feiras. Escrevem Dora Kramer e João Mellão Neto e já li muitas vezes Fernando Henrique Cardoso, Pedro Malan, Paulo Renato Souza e Ipojuca Pontes.

Não me importa muito o jornal em si, mas que traga algumas matérias de cunho informativo. Não gosto da “Folha”. Nunca gostei. Não sou fã de “Veja”, mas sou obrigado a dizer que já li coisas interessantes lá. As versões eletrônicas dos portais normalmente têm coisas interessantes. A principal delas são os blogs. Leio alguns com freqüência e outros esporadicamente. Mas, além disso, para me informar de assuntos específicos sempre busco saber as fontes além daquele pouco resumido em linguagem jornalística. Aliás, em questão técnica sempre esta linguagem deixa muito a desejar. Nisso entram os livros.

A televisão também acrescenta muito. Quem não vê televisão perde a chance de se informar de forma espontânea. Nisso sou obrigado a dizer que gosto de certos jornais da Globo: Bom Dia Brasil e Jornal da Globo. Gosto do Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo e às vezes até dá para assistir algumas outras atrações como Jô Soares, Canal Livre (raro) e o programa do Milton Neves, domingo a noite (estou sendo irônico, lógico, mas eu gosto de ver, afinal, gosto de futebol). Mas sempre vendo que isso tudo serve somente para se informar. Teve uma frase que escutei outro dia fantasticamente bem colocada: “Os jornalistas são aqueles que separam o joio do trigo, jogando fora o trigo e ficando com o joio.” Para isso não acontecer, o melhor de tudo é sempre tomar cuidado com o que se esta lendo.

Mas voltando aos livros, neles estão muito mais aprofundados os assuntos de interesse. Após somente a leitura de vários sobre o assunto que podemos ter digamos uma opinião a respeito de certos assuntos. Mesmo assim, essa opinião não vale lá muita coisa. Nem sempre ter “uma opinião formada sobre tudo” é bom. Importante é ter opinião daquilo que lhe interessa. O problema esta exatamente aí. Muito pouca gente se interessa por uma gama grande de assuntos. E dão opinião a respeito dos assuntos dos quais não tem conhecimento. O Dr. Dráuzio Varella, por exemplo: em termos de medicina e saúde é ótimo, mas falando sobre a igreja católica um desastre. José Saramago e Oscar Niemeyer falando sobre política então, melhor escutar a ser surdo. Esse é o problema, dar “pitaco” sem saber do que fala. Eu realmente não saio por ai tagarelando sobre tudo. Principalmente por que isso vai parecer opinião. Fatos são fatos, não opiniões. As leituras de George Orwell, Aldous Huxley e mais recentemente Ortega y Gasset, me coloca numa posição de que essas pessoas não eram somente informadas, mas sentiam “as marés e os ventos”. Quando se descobre qual caminho tomar, encontra aí uma direção. Não é o fim. Não é uma conquista garantida. Mas existe lógica. Dois textos sérios a respeito disso são: “A tragédia do estudante sério no Brasil” e “Se você ainda quer ser um estudante sério...”, de Olavo de Carvalho. Leiam aqui e aqui. Importante saber que não somente a leitura, mas aqueles passos que estão lá nada mais são do que um caminho. Não vai ser lendo a “Folha” que alguém chegará a algum lugar. Outro livro que deveria ser a fonte primária de todo leitor é “How to read a book”, de Mortimer Adler, que aguardo a tradução para o português (já existe uma esgotada há anos).

Bem, isso basta para dizer um pouco da onde me informo, mas também para dispor que muita coisa do meu blog é opinião. Na maioria são dúvidas. Interesso-me por diversos assuntos, assim como tem assuntos que falo pouco. O que não falo é por que não sei ou não me interessa. Mas, só para lembrar um pouco de Arthur Schopenhauer, escrevo pouco e tento caprichar muito nisso. E o melhor de tudo é refletir sobre aquilo que estudo.

Comentários

Postagens mais visitadas