setembro 12, 2009

Olhos vermelhos










Quando os vejo
Na calada da noite
Tenho a certeza:
Que são belos e grandes

De uma grandeza sem limite,
De uma emoção renovada,
De uma beleza sem igual;

Quando os vejo
No meio da madrugada
São mais belos e vivos

E brilham como o sol
Na roseira da parreira
Seus belos olhos vermelhos

Um comentário:

onzepalavras.com disse...

Há (mais) lirismo na escuridão. Belo poema Ludo!