dezembro 13, 2010

Bêbados e loucos

Wittgenstein chama minha atenção a respeitos dos dois passageiros sentados nas longarinas do terminal de embarque do aeroporto. Um sujeito baixo, com uma protuberância abdominal avantajada, cabelos grisalhos e postura de um nouveau riche, e seu provável colega de trabalho, alto, magro com cabelo militar. Pegaríamos os quatro o mesmo avião, até aquele momento aparentemente vazio. O ar de Vitória estava bastante agradável para o inverno que tinha saído pela manhã, na São Paulo gelada. Tinha passado um ótimo dia naquela cidade e encontrar com o amigo Wttt, a forma carinhosa que chamava o professor Wittgenstein, no saguão do aeroporto enquanto esperava a aeronave que substituiria a considerada “insegura” – como se algum avião fosse seguro – para irmos a Belo Horizonte.
Witt falava da falta de segurança da pista do aeroporto de Vitória, quando algo naqueles dois homens o desviava do assunto. Tinha acabado de lhe falar da minha ligeira má impressão dos aeroportos Santos-Dumont e Congonhas, com suas pistas curtas e suas histórias de acidentes, quando também comecei a fitar aqueles dois homens.
Witt era um observador nato. Pelos sapatos conseguia dizer se o homem poderia ter ou não algum desvio de coluna. Se tivesse se dedicado a medicina com certeza teria sido um grande médico, mas acabou por preferir as letras e confeccionar seus poemas quase enigmáticos e dar as melhores aulas a respeito de William Shakespeare que alguém poderia assistir. Se não fosse por Witt muito provavelmente não estaria hoje participando destas visitas maravilhosas a novos escritores e entender como eles trabalham; suas manias, suas superstições. O trabalho de um jornalista é para alguns o divertimento, uma vida de badalações e ostentações, mas sempre esquecem que há muito trabalho para selecionar e compreender o que se pode e o que não se pode mostrar, o que faz a audiência subir e é supérfluo, e o que é essencial e ninguém se interessa. As entrelinhas são, em muitos casos, horas e mais horas de preparação, leituras, cursos e um sem fim de paciência, para às vezes meia hora de um papo fútil. Certa vez, um jornalista famoso disse que nossa profissão era separar o joio do trigo, mas ficar só com o joio... Mas Wiit não era jornalista. Era um dos que ninguém queria saber, e inúmeros poetas famosos o citavam como inspiração máxima. Era o Sergio Mendes no Brasil sem a carreira internacional. Mas um bom sujeito, de papo interessantíssimo, culto, refinado e mais que tudo: simples de coração.
Mas olhávamos aqueles dois sujeitos e praticamente não trocamos mais nenhuma palavra. Eu os observava na ânsia de entender o que se passava para chamar a atenção dessa forma de Witt. E ele os olhava, olhava e nada. Nenhuma palavra. Eu os via, olhava para a camisa listrada com a ostentação daquele crocodilo bordado que não deixava suspeita de se tratar de uma ostentação, podendo até mesmo ser uma falsificação, e nada via de interessante.
Reparo nesta hora a passagem de outro ilustre capixaba de nascimento, mas paulista de todo sempre, indo para o outro terminal com destino a cidade que moramos. O havia encontrado na rua outro dia. Cumprimentei-o naquele dia, mas parecia estar um tanto alterado pelo consumo de álcool. Agora estava mais sereno. Fitei-o sem a intenção de deixar de fazer a minha observação a aqueles dois homens para cumprimentá-lo. Certa feita, quando apertou minha mão pela primeira vez, achei que havia recebido fluxos mágicos de sua energia pulsante e que tudo, dali para frente, seria diferente. Nada... Tudo continuou igual, mas que sua imagem ainda permeia meus pensamentos permeia. Numa outra ocasião, este mesmo ilustre capixaba de nascimento, estava recebendo um dos maiores prêmios que um artista pode receber e estava feliz, falante, simpático, alegre. Foi muito bom vê-lo aquele dia. Noutra ocasião, que estava rodeado de “insufladores”, passei sem dar-lhe nem um aceno. Um livro sobre sua obra está entre os que mais tenho apreço, assim como também aprecio suas obras. Mas estava ele também naquele aeroporto, naquele mesmo dia.
Havia estado somente uma vez em Vitória, de passagem, para uma cidade muito conhecida por conta de seu filho mais ilustre. Mas Vitória está no meu coração. Assim como outros estados do Brasil, aquele foi um dos que sempre tive curiosidade.
Quando estudava na Europa, durante minha primeira pós-graduação, um rabino protestante budista me disse acham um absurdo um banco se chamar Espírito Santo. Mas, disse ele, que depois que descobriu que há um pueblo no Brasil com este nome, entendeu o nome do tal banco. Nem perdi meu tempo de explicar-lhe que era um estado e não um “povoado” e que o tal banco era europeu, português, e não brasileiro. Mas ficou na minha imaginação aquele estado da região sudeste que ainda não conhecia. Já havia ido uma porção de vezes para as Minas Gerais, e duas vezes para o Rio de Janeiro, mas não havia ido para o Espírito Santo, até surgir esta primeira oportunidade. Havia ido uma semana antes para o Rio de Janeiro, mais especificamente para Volta Redonda, e agora conseguia ir novamente para o Espírito Santo e mais que tudo, ficaria em Vitória mesmo. Certo que no mesmo dia, ao anoitecer, embarcaria para Belo Horizonte, mas só o fato de poder conhecer a capital do estado me deixou bastante contente. Como sempre, ao visitar uma capital, tento saber de seus museus e principalmente de suas bibliotecas. No Rio de Janeiro ainda não fui à Biblioteca Nacional, mas numa próxima oportunidade lá estarei, assim como numa certa livraria onde tudo acontece.
Mas os dois homens estavam eufóricos. Estavam conversando sobre o que serviriam no avião. Notei que a ansiedade dos dois estava na possibilidade deste vôo noturno oferecer bebidas alcoólicas. Notei então que Witt prestava atenção em como estavam em solo, para tentar entender ao máximo suas possíveis reações ao consumo de álcool durante o vôo. Notei então que o que interessava a Witt estava na possibilidade de perda do controle e a exaltação dos sentimentos, da selvageria talvez, que surgisse naqueles dois após o consumo de álcool nas alturas dos céus de Minas Gerais e do Espírito Santo. Pensei em como será ótimo estar longe de Witt dentro do avião. E mais que tudo, longe daqueles dois. Começava a me dar calafrios os três, os dois bêbados e o louco, fazendo uma arruaça no céu. Naquela altura, que tanto tenho receio. Fiquei feliz de poder sentar-me longe de Witt no vôo. Ele seria louco o suficiente de estimular aqueles dois a “realçar” suas sensações no céu. Witt era um louco, na verdade. Um inconseqüente. O que seria de mim e de outros passageiros, ou mesmo da tripulação, nessa quase macabra experiência sobre sensações? Achei melhor parar de pensar. Ainda passaria a noite toda em Belo Horizonte e muito provavelmente teria que estar bem para jantar com um editor local que me pegaria naquele aeroporto distante de tudo.
Enfim começaram a chamar os passageiros para o vôo. Os três comissários falavam intensamente entre si sobre a Copa do Mundo, sobre as seleções com maiores possibilidades de vencer. Nem sequer deram conta do lhe esperavam. Começaram a chegar passageiros sabe-se lá de onde e o avião começou a ficar lotado. Fui um dos primeiros a entrar e pedi aos pilotos se poderia entrar na cabine. Foi a primeira vez que me permitiram e explicaram todos os relógios e luzinhas para mim. Ao retornar ao assento o avião parecia bem lotado. Pensei em como seria agora ainda mais difícil para a tripulação controlar aqueles dois, depois do álcool. Quase falei aos pilotos o que estava por acontecer, mas não poderia precisar com total convicção que isso fosse algo realmente importante.
Já no meu assento, pensava agora na pista do aeroporto. Por que Wittgenstein me falou sobre a falta de espaço dessa pista? Estava agora praticamente agarrado ao banco, olhando pela pequena janelinha o avião taxiando. É chegada a hora e o avião sobe, sem nenhum problema, sem nenhuma trepidação. Pego o meu caríssimo Saramago que havia comprado na lojinha do aeroporto pouco antes de me encontrar com Wittgenstein e retomo o primeiro capítulo. Logo seria servido o serviço de bordo e então já imaginava que não teria condições de voltar a ler o Saramago neste vôo.
Bem, como nem tudo são flores, começo a ver a movimentação dos comissários. Para minha sorte, a única bebida mais “exótica” a ser servida era o novo guaraná com açaí... Nenhuma experiência nova ao professor Wittgenstein. Pude ler prazerosamente o Saramago até a descida em Confins.
Na sala de desembarque, enquanto tomava o rumo da saída, encontro com Wittgenstein novamente e ele pergunta com a cara espantada:
- Reparou naqueles dois?

Nenhum comentário: