junho 07, 2009

O jogo entre Brasil e Uruguai e a corrida da F1

Brasil e Uruguai disputaram uma partida pelas eliminatórias da Copa do Mundo 2010. Não acompanhei além do hino a partida. Estava na estrada, na velha conhecida BR-116 a caminho de São Paulo. Estrada que já foi muito pior, porém não havia 7 pedágios... Poderia escrever por horas sobre os pedágios. Acredito que eles estão em desacordo com o direito livre de circulação dentro do território nacional. Também questiono o tal IPVA, que, igual à jabuticaba, só existe no Brasil. Mas deixando de lado a total falta de critérios das obras governamentais e dos governos, retorno ao jogo. Primeiro imaginei que o jogo seria no domingo. Minha viagem já estava marcada e aí imaginei que junto ao meu domingo de descanso veria a corrida da F1 e o jogo. Claro, não assisti a nenhum dos programas. Assisti aos hinos no momento em que parava para reabastecer e tomar uma coca-cola. O programa do Luciano Huck estava terminando e iniciaram-se os hinos. Não cheguei a ver a bola rolando. Fiquei feliz em saber do resultado de 4 x 0 para o Brasil.

Havia acompanhado pelo jornal da noite anterior alguns comentários, entre eles do técnico do Uruguai afirmando que este era um dos jogos mais importantes do mundo (mais ou menos isso, por assim dizer). Certo. O Uruguai já foi uma potencia do futebol, ganhando duas copas do mundo, mas há tempos nem participa da competição. Não sei do que se referia, mas o Uruguai continua, na mesma quinta colocação nas eliminatórias sul-americanas. Quem sabe, disputando uma vaga na repescagem... Em 2014 poderia fazer a final da Copa no Maracanã... E vencer de novo!

Da corrida só posso falar que eu tinha razão: Rubens Barrichello é mesmo Rubens Barrichello. Falei do campeonato deste ano aqui e continuo a dizer: Rubinho é o mesmo piloto de sempre; nada mais, nada menos. Nunca vai ser um campeão mundial. Os outros campeões estão em situação pior, praticamente eu diria que esta é a pior temporada da F1 dos últimos quinze anos. Desde a morte de Ayrton Senna não via uma temporada tão ruim. Aquela e outras marcadas pela saudade e não pela falta de preparo técnico das equipes. Sempre fui um fã da McLaren e por causa de Senna. E ainda acho que cigarro é Marlboro pela propaganda no carro vermelho e branco... Hoje, por causa de tantas outras coisas, entre elas o tal do politicamente correto, nem propaganda de cigarro pode ser feita. Como se algum dia eu tivesse fumado um cigarro por conta de alguma propaganda. Lembro de criança da Lotus preta, com propaganda do Jonh Player Special. Senna ganhou o campeonato com ela... “Que tempo bom, que não volta nunca mais”, como diria Thaide.

Nenhum comentário: