junho 16, 2009

Calvino

Lembro-me que quando li O Jardim de Granito, de Anne Spirn, apareceu a primeira citação a respeito do escritor italiano Ítalo Calvino. Era uma passagem de As Cidades Invisíveis. Falava sobre o inferno. Por sinal certa vez a reproduzi aqui de tão interessante. Foi logo nos meus primeiros dias de blog, onde a impaciência e a ansiedade de escrever estavam a me corroer. Hoje identifico alguns assuntos, tento escrever sobre eles e já algumas vezes tive êxito em o texto parecer bom.

Até aquela citação nunca tinha ouvido falar em Calvino. A principio fiquei curioso se seria o mesmo Calvino, do teólogo francês João Calvino, logo esclarecido. Logo depois fui ler As Cidades Invisíveis; minha curiosidade era tamanha em relação ao livro. Nos anos seguintes muitos dos amigos arquitetos falaram deste livro e também do ensaio Seis Propostas para o Próximo Milênio, cujo título original é Lezioni Americane: Sei proposte per il prossimo millennio. Este ensaio foi uma publicação póstuma de notas para uma aula na Harvard University do verão de 1985, pouco antes de vir a falecer. O livro foi publicado em italiano em 1988, em português em 1990 e em inglês em 1993.
A minha apresentação ao ensaio Por Que Ler os Clássicos? foi puramente acidental. Estava numa livraria e li a lombada do livro, naquela pequena estante dos livros de bolso da Companhia das Letras. Tinha conhecimento, por via de um texto de Reinaldo Azevedo, sobre um livro de T. S. Eliot em que discutia a importância dos clássicos (aqui). Como se pode notar não sou profundo conhecedor de Ítalo Calvino, mas, ao começar a encarar os “clássicos”, ele surgiu. Agora fico sabendo que fora lançado em português o livro Assunto Encerrado, outro livro de ensaios. Minha ansiedade para ler este já encontra com a fila de leituras, que anda meio devagar ultimamente. E fiquei sabendo deste através de ensaio do jornalista Daniel Piza (aqui) deste domingo.

Um comentário:

onzepalavras.com disse...

Ludo, postei no meu blog um texto inspirado nas suas memórias de Marcos Rey.

Mencionei seu blog no meu texto. Espero que esteja tudo bem pra vc.

Bjos, Ana